Área restrita
Esqueci minha senha

Quero solicitar acesso

Tityus serrulatus
 

Conhecido como escorpião amarelo, essa espécie provoca os acidentes mais graves, podendo ser letais em crianças e idosos. O nome da espécie se dá devido a uma “serrilha” no quarto segmento do metassoma. Só existem fêmeas que se reproduzem por partenogênese (reprodução assexuada), tornando seu controle mais difícil. Presente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espírito Santo e nos estados do sul.

Hábitos: Comumente encontramos escorpiões sob pedras e entulhos, dormentes de ferrovias, em bromélias localizadas em árvores ou no solo, em porões de residências, cemitérios (devido à presença de baratas), sob assoalhos de madeira e próximo a córregos, caixas de fiação elétrica etc. Durante a noite é que os escorpiões concentram a maior parte das suas atividades. Durante o dia preferem ficar escondidos em locais escuros e úmidos. Não possuem boa visão, chegando a ser quase cegos. Assim para localizar sua presa, orientam-se pelas vibrações do ar e do solo, captadas por receptores e pêlos especiais.

Dieta: Carnívoros por natureza alimentam-se de animais vivos por eles capturados. Dentre seus alimentos preferidos, encontram se os grilos, baratas e aranhas, com os quais convivem no mesmo habitat. Ocorrendo falta ou diminuição da oferta de alimento, podem se tornar canibais e devorar seus filhotes e outros escorpiões. O escorpião carrega o veneno em duas glândulas, localizadas em um segmento extra de sua cauda (metassoma), anterior ao aguilhão que é o órgão responsável por perfurar e inocular o veneno. O veneno contido nestas glândulas é liberado parcialmente no processo de caça dos escorpiões visando à imobilização da presa, porém em caso de defesa ocorre a inoculação total do veneno.

Reprodução: Os escorpiões se reproduzem através de uma gestação entre 2 a 3 meses e posterior parto, quando os filhotes são expelidos pelo opérculo genital, sobem ao corpo da mãe permanecendo por uma ou duas semanas neste local. O número de descendentes por fêmea varia conforme a espécie.

PRINCIPAIS ESPÉCIES E COMO AGIR:

-Tityus bahiensis
-Como agir diante de um escorpião

 

© MAM - Controle de Pragas - Todos os direitos reservados.
Powered by anydesign.net